O bebê em seu crescimento

Tempo de leitura: 7 minutos

Educação Montessori é educação para o desenvolvimento. Envolve um conjunto de materiais que atende às necessidades de desenvolvimento de uma criança em cada estágio de seu desenvolvimento.

O papel do adulto na educação Montessoriana é preparar o ambiente para a criança, introduzindo os materiais e permitindo que ela aprenda por si mesma, por meio de atividades de livre escolha e exploração. Os pais ou educadores observam as necessidades da criança, confiam em suas habilidades e permitem a independência (dentro dos limites) para que ela possa seguir seu próprio caminho de desenvolvimento guiado por seu impulso natural de aprender e crescer.

Pesquisas no âmbito da neurociência indicam que 85% do cérebro é formado até os 3 anos de idade. A educação é, muitas vezes, pensada para começar na pré-escola, mas Maria Montessori observou e as pesquisas modernas têm confirmado, que o aprendizado começa antes do nascimento. O desenvolvimento inicial do cérebro é a base de todo aprendizado futuro, pois os bebês estabelecem caminhos e padrões de descoberta que usarão ao longo da vida.

Para Montessori, o desenvolvimento da criança se divide em períodos sensíveis:

  • Período Sensível de Movimento

Mesmo antes do nascimento, os bebês estão testando seus membros, seus reflexos e suas habilidades motoras. Do nascimento aos 12 meses, esta alegre exploração do poder do corpo progride de chutes e alongamentos a poder usar os dedinhos como pinças para pegar todos os tipos de objetos interessantes. O controle das mãos e dos pés, o apoio próprio da cabeça, a coordenação entre a mão e o olho, e o milagre de engatinhar entram em ação no primeiro ano de vida.

O pensamento de Montessori ensina que a principal responsabilidade dos pais em toda essa atividade é garantir que os bebês não sejam retidos por suas roupas ou por móveis como berços ou carrinhos. A roupa de algodão macia que permite a liberdade dos membros é a melhor. Os pais precisam ser muito cuidadosos em proteger o ambiente do bebê, para que o bebê possa se mover pela casa em áreas designadas. Brinquedos de madeira simples, e objetos domésticos seguros podem atender às necessidades dos bebês para alcançar o que os encanta. 

  • Período Sensível de Percepção Sensorial

A percepção de um bebê sobre o som, a visão, o tato, o paladar e o olfato é nova e aguda. É essencial manter as coisas calmas. Dar prioridade à conexão dos bebês com seus pais é fundamental. Quando os bebês começam a se interessar por uma gama maior de coisas além de seus pais, menos ainda é mais. Na casa, alguns brinquedos escolhidos, fotos, um cobertor maravilhosamente macio será suficiente para os bebês pequenos explorarem. Lá fora, uma única planta com flores é como um jardim inteiro para um bebê. O objetivo dos pais Montessorianos é seguir as expressões de interesse dos bebês em novas experiências sensoriais e seguir seu ritmo. 

  • Período Sensível para Linguagem

Mesmo antes do nascimento, muitos bebês reagem aos sons que percebem no mundo exterior. Muitas vezes, os pais Montessorianos cuidam de cantar, falar e ler para seus filhos antes de sua “chegada”. Após o nascimento, os bebês encontram-se em um mundo de sons e, muitas vezes, seu maior interesse está nos sons da fala humana que vêm de seus pais. Os bebês observam atentamente as bocas das pessoas ao redor deles e começam a mover seus próprios lábios em imitação. Logo, eles começam a explorar sua própria capacidade de criar diferentes tipos de sons, e desenvolver um repertório fascinante de sílabas que repetem várias vezes, tentando aperfeiçoar o controle de sua garganta, língua e lábios.

É crucial que os pais passem muito tempo conversando com o bebê, cara a cara, falando a língua deles. Fazer parte da conversa ajuda as crianças a sentir que são parte integrante dos membros da família, valorizados pela família. Os pais não devem ficar excessivamente preocupados em quando seus filhos dominarão a primeira palavra. Eles farão isso no momento certo para eles.

  • Período Sensível para Ordem

Este é o período sensível que vem como a maior surpresa para os novos pais. É nesta fase que os bebês começam a ganhar uma sensação de segurança, dando sentido a todas as coisas que percebem em seu ambiente, sejam pessoas ou objetos. Seu próprio lugar no esquema das coisas parece seguro quando acordam de um cochilo e descobrem que tudo está em seu devido lugar. Algumas pesquisas indicam que até mesmo colocar uma nova imagem na parede do quarto de um bebê pode fazer com que ele se sinta inseguro, ameaçado, perplexo – o mundo está em desordem!

Se uma criança ficar repentinamente descontente ou exigente, e nenhuma explicação for imediatamente óbvia, é uma boa ideia olhar em volta para ver se algo mudou no ambiente, pois isso pode estar causando sofrimento. E, quando o bebê começa a rastejar pela casa, é hora de começar a ensinar a ideia de que tudo tem um lugar dedicado em casa. 

O que os pais podem fazer pelo desenvolvimento dos bebês?

Além de ler, cantar e conversar com seu filho desde o nascimento, você pode ajudar a promover o aprendizado em tenra idade preparando o ambiente. Aqui estão alguns pontos a se considerar ao configurar um espaço para o bebê:

  • Senso de ordem: para os adultos, um escritório bagunçado com papéis em toda parte pode ser uma fonte de estresse e confusão. O mesmo é verdade para o seu pequeno e seu ambiente. As crianças funcionam melhor em um espaço organizado que não é estimulante em excesso. Uma máxima Montessoriana se encaixa aqui: “Um lugar para tudo e tudo em seu lugar”.
  • Um espaço simples promove foco e independência: uma forma de manter as coisas em ordem é não colocar todos os brinquedos do seu filho ao mesmo tempo. Escolha de 6 a 8 brinquedos e alguns livros de cada vez, e coloque o resto para uso posterior. A exibição de objetos variados de estimulação sensorial em uma prateleira baixa, em oposição a uma lixeira de brinquedo, permite que seu filho possa acessá-los de forma independente e se torne o dono do espaço dele. Ao observar que o interesse do seu bebê em determinados brinquedos está diminuindo, você pode alterná-los com alguns dos que você armazenou. Isso pode ajudar a reacender a curiosidade de seu filho e permitir que ele continue aprendendo ainda mais com seus brinquedos, à medida em que suas habilidades melhoram.
  • Brinquedos passivos fazem para bebês ativos: brinquedos simples ou “passivos” exigem que o seu filho seja engajado para ativá-los. Mas brinquedos “ativos” com luzes e sons podem colocar seu filho em um modo passivo, em que ele pressiona um botão e espera para se divertir. Escolha brinquedos que sejam excitantes por causa do engajamento que eles exigem, não por causa de seus sinos e assobios.
  • Apresentar apenas a quantidade certa de desafio: existe um entendimento em Montessori de que se você der ao seu filho um material e ele o usar “corretamente” imediatamente, você esperou muito para apresentá-lo. O aprendizado acontece quando as crianças cometem erros enquanto tentam descobrir alguma coisa e acabam conseguindo dominar por conta própria. Quando você procura por brinquedos para bebês, tente escolher aqueles que fornecem um nível apropriado de desafio: não é tão fácil que seu filho fique entediado ou tão complicado que fique frustrado. É importante lembrar que o adulto é a maior referência no ambiente. Ele é o MODELO de tudo. O ambiente preparado ajuda a criança a crescer, mas o adulto consciente de sua responsabilidade é o melhor “objeto” que se pode oferecer a uma criança.   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *