Uma abordagem positiva à disciplina

Tempo de leitura: 4 minutos

Todo adulto que cuida de crianças tem a responsabilidade de orientar, corrigir e socializar as crianças em relação a comportamentos apropriados. Essas ações adultas costumam ser chamadas de orientação e disciplina infantil. Orientação e disciplina positivas são cruciais porque promovem o autocontrole, ensinam a responsabilidade e ajudam as crianças a fazerem escolhas ponderadas. O uso de força física e ameaças podem interferir negativamente no desenvolvimento saudável de uma criança.

Sabemos que não existe uma fórmula perfeita que responda a todas as perguntas sobre educação e disciplina. As crianças são únicas e suas famílias também. Uma estratégia de disciplina que funciona com uma criança pode não funcionar com outra.

Orientação e disciplina caminham juntas na concepção de Maria Montessori. São dois fatores que, quando combinados adequadamente, preservam a autoestima e a dignidade da criança. Ações que insultam ou menosprezam os pequenos tendem a fazer com que eles vejam seus pais e outros responsáveis ​​negativamente, o que pode inibir o aprendizado e ensinar a criança a ser cruel com os outros. No entanto, ações que reconhecem os esforços e o progresso da criança, por mais lentos ou pequenos que sejam, provavelmente incentivarão o desenvolvimento saudável.

Ensinar as crianças a autodisciplina é uma tarefa delicada. Requer paciência, atenção cuidadosa, cooperação e um bom entendimento da criança. Também requer conhecimento das próprias forças e lutas com questões disciplinares. Infelizmente, a única preparação para a maioria dos pais é a própria experiência de serem pais. Sendo assim, experiências passadas nem sempre podem ser úteis para criar os filhos de hoje.

Estratégias Positivas

O mau comportamento infantil é impossível de ser evitado completamente. As crianças, geralmente curiosas e infinitamente criativas, provavelmente farão o que os pais e outros cuidadores não esperavam. No entanto, existem muitas atitudes positivas que os adultos podem adotar para ajudar a evitar comportamentos inadequados.

A metodologia montessoriana propõe as seguintes atitudes para os adultos:

  • Definir regras claras e consistentes;
  • Verificar se o ambiente da criança é seguro;
  • Mostrar interesse nas atividades da criança;
  • Fornecer materiais apropriados e envolventes;
  • Incentivar o autocontrole, oferecendo escolhas significativas;
  • Concentrar-se no comportamento desejado, e não no que deve ser evitado;
  • Auxiliar as crianças a serem confiáveis, responsáveis ​​e cooperativas;
  • Esperar o melhor da criança;
  • Dar instruções claras, uma de cada vez;
  • Dizer “SIM” sempre que possível;
  • Observar e prestar atenção às crianças quando elas fazem as coisas certas e elogiar;
  • Tomar atitude antes que uma situação fique fora de controle;
  • Dar bons exemplos;
  • Ajudar as crianças a ver como suas ações afetam os outros, tanto positivamente, quanto negativamente.

O que faz com que as crianças tenham maus comportamentos?

Se os pais entenderem por que seus filhos se comportam mal, podem ter mais sucesso na redução de problemas de comportamento. Aqui listamos algumas das possíveis razões pelas quais as crianças se comportam mal:

  • Elas podem querer testar se os adultos aplicarão regras;
  • Elas experimentam diferentes expectativas vindas dos educadores na escola e dos pais em casa. Podem haver divergências nas orientações de cada uma das partes;
  • Elas não entendem algumas regras impostas pelos adultos;
  • Elas querem se afirmar e demonstrar independência;
  • Elas se sentem entediadas em algumas situações e buscam soluções;
  • Elas não têm experiência prévia e tudo é “novo”;
  • Eles copiam as ações de seus pais.

O verdadeiro mau comportamento ocorre quando uma criança escolhe se comportar de maneira inadequada. Antes de agir, faça as seguintes perguntas:

  • A criança está realmente fazendo algo errado? Existe um problema grave ou você está cansado e sem paciência? Se não houver um problema real, não cause estresse na criança. Se houver algum problema, vá para a próxima pergunta.
  • Pense por um momento. Seu filho é realmente capaz de fazer o que você espera? Se você não está sendo realista, reavalie suas expectativas. Se suas expectativas são justas, vá para a próxima pergunta.
  • Seu filho sabia que estava fazendo algo errado? Se seu filho não percebeu que estava fazendo algo errado, ajude-o a entender o que você espera, por que e como ele pode fazer isso. Ofereça-se para ajudar. Se seu filho sabia que o que estava fazendo era errado, e intencionalmente desconsiderou uma expectativa sua, seu filho se comportou mal. Converse e explique como ele deveria ter agido diferente.

O melhor caminho é sempre o diálogo e a orientação, não basta simplesmente se irritar e punir a criança dizendo sempre “não”. Ao usarem uma abordagem positiva de solução de problemas, os adultos podem ajudar as crianças a desenvolverem habilidades para pensar sobre uma situação antes de agir, incentivando assim o bom comportamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *