Experiências científicas em casa

Tempo de leitura: 4 minutos

O que é um cientista? Damos o nome de cientista ao tipo de homem que considerou o experimento um meio de orientá-lo a pesquisar a profunda verdade da vida, levantar um véu de seus segredos fascinantes e quem, nessa busca, sentiu surgir dentro dele um amor pelos mistérios da natureza, tão apaixonado que aniquilou o pensamento de si mesmo.” (Maria Montessori)

Maria Montessori via todas as crianças como pequenos cientistas, os melhores e mais curiosos exploradores do mundo. Ciência, arte e matemática são frequentemente entrelaçadas em uma sala de aula montessoriana. Em outras palavras, no método Montessori a ciência trata do processo, criação e perspectiva.

As experiências científicas da primeira infância são mais do que experimentos! Nosso objetivo é ajudar a construir e promover uma mente científica. E o que é essa tal mente científica? É aquela que quer explorar; que é curiosa.

Como adultos no ambiente infantil, queremos expor as crianças a todas as áreas da ciência por meio de materiais e experiências práticas. Para isso, podemos integrar tópicos de ciência com exercícios de construção de vocabulário (linguagem), examinando coisas da natureza, literatura e canções.

Com as crianças podemos trabalhar experiências científicas de várias formas, mesmo estando em casa. Nesse artigo falamos sobre algumas opções fáceis e simples de executar com os pequenos para aguçar sua curiosidade.

  • Magnético ou não magnético

Experiências científicas simples devem fazer parte do cotidiano das crianças. Alguns exemplos de ferramentas básicas usadas com crianças pequenas são lupas, ímãs, atividades de afundar e flutuar, vivo e não vivo, experiências com óleo e água, etc.

Para a atividade que trabalha o magnetismo será necessária uma boa variedade de itens magnéticos e não magnéticos, além de duas pequenas cestas ou bandejas para separar os itens em grupos. Com os materiais disponíveis, basta pedir para a criança testar quais são atraídos por um imã e colocá-los na mesma cesta, separando-os dos demais.

  • Afundar ou flutuar

Flutuar e afundar é um conceito científico divertido para as crianças explorarem. Os pequenos se divertem ao investigar como e por que diferentes objetos flutuam e afundam quando colocados na água.

Para essa atividade, será necessário um recipiente grande cheio de água, 2 cestas para classificar os itens flutuantes e afundantes e uma variedade de objetos para testar.

Algumas opções de objetos são: pedras, tampas de garrafa, pedaços de madeira, penas, moedas, chaves, botões, conchas e folhas.

Instrua a criança a colocar um item de cada vez na água e então questione: ele flutua ou afunda? Depois peça para seu filho colocar o objeto na cesta com o rótulo correspondente. Discuta o peso, o tamanho e o material do objeto e como isso influencia a capacidade de flutuação.

Depois de experimentar os diferentes objetos flutuando e afundando, reserve um tempo para seu filho brincar livremente com a água, os recipientes e os objetos. Adicione outros brinquedos à oportunidade de brincar. Afinal, as crianças adoram brincar com a água, principalmente no verão!

  • Vivo ou não vivo

A partir de experiências científicas as crianças podem aprender conceitos básicos, como por exemplo o que é vivo (orgânico) e não vivo (inorgânico). Para essa atividade serão necessários cartões com estes dois rótulos.

Para uma primeira orientação, forneça aos pequenos conceitos simples que eles possam entender facilmente. Por exemplo, você pode dizer: “todos os seres vivos precisam respirar para permanecer vivos. Pessoas e muitos animais respiram pelo nariz. Os insetos têm pequenos orifícios de ar no corpo. Os peixes respiram através de guelras. As plantas respiram pelas aberturas de suas folhas.”, etc. É provável que essa orientação seja necessária para guiar a criança à descoberta dos conceitos.

É importante também fazer perguntas que ajudam as crianças a desenvolver habilidades de raciocínio, como: “como você pode saber se algo é vivo ou não?”, “quais são algumas coisas que todos os seres vivos têm em comum?”, entre outras.

Depois disso, basta pedir para que a criança encontre exemplos de objetos vivos e não vivos pela casa. Certifique-se de disponibilizar boas opções e mantê-las ao alcance do seu filho.

Após as experiências concretas de descoberta dos vivos e não vivos, pode ser trabalhada a atividade de recortar e colar imagens de revistas, que tem várias opções de gravuras e aguçam o sentido visual da criança e sua curiosidade.

Agende uma Visita

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *