Quem foi a revolucionária Maria Montessori?

Tempo de leitura: 6 minutos

Maria Montessori foi a criadora da metodologia que embasa nossa prática aqui na escola. Uma mulher, médica e educadora revolucionária para seu tempo e contexto social. De fato, sua percepção de educação e de infância influenciou profundamente o campo da Pedagogia.

Por isso, dedicamos este artigo a ela e às suas conquistas!

Convidamos você para conhecer a trajetória dessa fascinante figura histórica e entender o motivo pelo qual suas ideias e estudos nos inspiram até hoje!

O interesse pela educação infantil

Maria Montessori nasceu em 1870, em Chiaravalle, na Itália. Graduou-se em Engenharia antes de decidir se dedicar à Medicina, que cursou entre 1893 e 1896. Foi uma das primeiras mulheres a se formar nesse campo em seu país e em 1897 já atuava na área.

Nesse início de carreira, Montessori dedicou-se à psiquiatria e começou a trabalhar com crianças que possuíam alguma deficiência física ou cognitiva. A partir dos estudos dos franceses Jean Marc Gaspard Itard e Édouard Séguin, de suas observações na Clínica Psiquiátrica da Universidade de Roma e de suas pesquisas independentes sobre Pedagogia e Antropologia, Montessori interessou-se pela aprendizagem infantil.

Criou, então, métodos de ensino e recursos didáticos para auxiliar o aprendizado dessas crianças e, depois de algum tempo, começou a considerar estender suas ideias para a educação em geral.

A Casa das crianças e a metodologia montessoriana

Um importante avanço em sua prática aconteceu em 1906, quando foi convidada a coordenar e dirigir a instituição Casa dei Bambini, ou Casa das Crianças, que iria receber os filhos dos trabalhadores de um bairro de baixa-renda chamado San Lorenzo, em Roma.

Montessori cuidava da organização do lugar, direcionando as atividades educativas. Com o tempo, percebeu que as crianças preferiam atividades práticas e dedicavam mais atenção a materiais com os quais pudessem interagir — montando, encaixando e moldando — do que necessariamente aos brinquedos.

A partir de então, modificou a forma como as salas de aula eram montadas, substituindo cadeiras e móveis pesados por materiais mais leves, no intuito de que as crianças pudessem movimentá-las livremente. As estantes projetadas para adultos viraram prateleiras baixas para garantir o acesso a todos os recursos disponibilizados.

Outras Casas dei Bambini foram criadas nos anos subsequentes com a mesma proposta, tornando-se centros de aprendizado para muitos educadores e entusiastas da Pedagogia.

Foi nessa época que Montessori percebeu um padrão no comportamento infantil: a autoeducação e a autodisciplina eram tendências naturais, e surgiam quando a criança tinha autonomia para fazer suas escolhas.

Essas constatações formaram a base sobre a qual seu método, tal qual o conhecemos, seria construído. Hoje, essa organização espacial do ambiente de aprendizagem está presente em todas as escolas infantis que aplicam a metodologia montessoriana.

As transformações desencadeadas na educação

Em 1909, Montessori escreveu e publicou seu “Metodo della Pedagogia Scientifica applicato all’educazione infantile nelle Case dei Bambini”, traduzido no Brasil como “Pedagogia Científica” e em inglês como “The Montessori Method: Scientific Pedagogy as Applied to Child Education in the Children’s Houses”.

A obra, que era acadêmica e explicava seu método, teve ampla aceitação pela comunidade internacional e marcou o início de uma fase de divulgação mundial de sua prática. Países como Suíça, França, Espanha, Holanda e a própria Itália adotaram sua metodologia e, em 1913, o primeiro programa de treinamento do método foi feito em Roma.

Nessa época, Montessori também publicou em inglês o livro “Doctor Montessori’s Own Handbook”, no qual explicava como utilizar os materiais didáticos que havia criado para a educação infantil.

De 1915 até o início da Segunda Guerra Mundial, a médica e educadora Montessori visitou inúmeros países e divulgou seu método por meio de palestras e cursos. Em 1939, Montessori e seu filho Mario foram obrigados a permanecer na Índia, de onde só puderam sair em 1946.

Nesse contexto, surgiu o conceito de “educação cósmica” em sua obra e dois novos livros foram escritos e publicados: Education for a New World, “Educação para um novo mundo”, e To Educate the Human Potential, “Educar o potencial humano”.

Em 1949, Montessori retornou permanentemente à Europa, sendo nominada três vezes nos anos seguintes ao Prêmio Nobel da Paz.

O contexto social e visão da infância

Para entender o impacto que a metodologia criada por Montessori causou, você precisa entender a educação tal qual era praticada na Itália do final do século 19.

Assim como em outros países europeus, a educação italiana seguia os preceitos das correntes filosóficas que dominavam o pensamento e as práticas de então, como o positivismo e o iluminismo. O conhecimento era essencialmente enciclopédico, passado do mestre aos aprendizes.   

Segundo essa lógica, era papel do mestre moldar a mente infantil para que ela se adequasse ao mundo adulto!

Montessori, entretanto, via a infância como uma etapa fundamental de descobrimento e desenvolvimento, e percebeu que, na educação praticada então, as necessidades infantis não eram atendidas ou sequer respeitadas. A infância não tinha voz.

Por isso, ela se posicionou como uma defensora das crianças em um mundo que era, com frequência, hostil e pouco disposto a entendê-las. Seus estudos, experimentos e observações deram origem a uma metodologia focada no desenvolvimento das habilidades naturais dos pequenos e no alcance de sua felicidade e equilíbrio.

Até hoje, as escolas montessorianas continuam proporcionando aos alunos os estímulos adequados para que eles caminhem em seu próprio ritmo e aprendam por meio da interação com o ambiente ao seu redor.

O objetivo é fazer com que as crianças se desenvolvam social, motora e intelectualmente de forma natural e intuitiva.

O pioneirismo de Maria Montessori

Como você pode perceber, há muitos aspectos da vida de Maria Montessori que nos levam a reconhecer seu pioneirismo, tanto na Pedagogia quanto na Medicina psiquiátrica.

Na época em que o status quo era considerar a criança como um miniadulto a ser moldado, Maria Montessori foi visionária ao perceber que a aprendizagem ocorre naturalmente quando a criança tem  suas necessidades atendidas e escolhas respeitadas. Hoje, muitas das práticas e materiais empregados na educação infantil são inspirados em seu trabalho e ideias.

Gostou de conhecer a trajetória de Maria Montessori? Que tal compartilhar este artigo em seu Facebook? Assim, você permite que outras pessoas conheçam a história dessa revolucionária educadora e entendam sua influência em nossa sociedade.  

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *